Todas as licenças Creative Commons são Open Access?

As licenças Creative Commons são excelentes ferramentas para o mundo da ciência, da educação, entre outros. E complementam maravilhosamente ao movimento de Acesso Aberto (Open Access em inglês), que pretende que os usuários possam acessar on-line aos trabalhos de outros autores sem ter que pagar por isso, e ainda assim, garantindo alguns direitos.

No passado evento CONFOA (2017) apresentamos um trabalho, Elisani Almeida Bastos e eu, sobre um assunto que, embora muito já se tenha falado e escrito, ainda aparecem opiniões diversas nos eventos e artigos sobre a matéria. A questão é:

Todas as licenças Creative Commons são Open Access (OA)?

Open Access
Creative Commons

Isto é, quando uma revista científica diz ter uma licença CC by-nd-nc, essa revista ou esse trabalho deveria ser considerado parte do movimento de Acesso Aberto?

No vídeo apresentamos brevemente as nossas conclusões, com base nas 3 principais declarações de Acesso Aberto: Budapeste, Bethesda e Berlim.

Desculpem o meu português, continua em eterno andamento 😛

Acesso Aberto e Licenças Creative Commons: todas as licenças são OA (Open Access)? from Projeto RCAAP on Vimeo.

E você, acha que mais alguma das licenças deveriam ser consideradas como OA? Por qué?

O monopólio da mídia e a homogeneidade do discurso [video]

O problema da mídia ser controlada apenas por um grupo empresarial é que uma mesma mensagem pode ser repetida tantas vezes quanto seja preciso para que nosso ponto de vista seja predominante. Diferentes canais dos EUA apresentam o mesmo roteiro, exatamente igual. E se você escutar a mesma mensagem em diferentes canais, acreditará nele?

Podemos resumir dizendo: “This is extremely dangerous for [our] democracy“, ou “Isto é muito perigoso para a democracia“.

 

 

Hábitos en el uso de información los estudiantes universitarios (Libro gratis)

Hace un par de días ha salido finalmente publicado en pdf el libro “Competência em INFORMAÇÃO: Políticas Públicas, teoria e prática”, con Fernanda Maria Melo Alves, Elisa Cristina Delfini Corrêa y Elaine Rosangela de Oliveira Lucas como 0rganizadoras.

Aléxia Corujas. Imagen con todos los derechos reservados.

Entre las interesantes contribuciones que aparecen en el libro aparece la investigación que llevé a cabo junto con Juan-Carlos Fernández-Molina, dedicada a los “Hábitos en el uso de la información de los estudiantes universitarios: el caso de la Universidad de Extremadura”.

En esta obra se abordan asuntos tales como el principal lugar de estudio para los estudiantes, donde la biblioteca no juega el papel que nos gustaría; el uso de obras en papel vs. digital, donde la convergencia digital y la indiferencia por el formato es uno de los puntos más llamativos; las principales fuentes de información, que no son las grandes bases de datos por las que el estado paga millones para su acesso; y las principales competencias en las que los alumnos han recibido formación.

El libro en español y portugués, puede ser descargado desde el repositorio de la Universidad Federal de Bahia (UFBA), Brasil, en este enlace: https://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/22598

Esperemos que en las próximas oportunidades sea posible publicar con una licencia Creative Commons. 😉

El poder de la privacidad [Documental subtitulado]

El diario inglés The Guardian está detrás de un interesante documental “El Poder de la Privacidad” (The Power of Privacy), donde se recogen algunas cuestiones, dudas y problemas relacionados con nuestra privacidad en internet.

El documental, de 29 minutos, dirigido por Callum Cooper & Matthias Hoegg, ganó el premio British Animation Awards 2016: Best Film/TV Graphics y lleva de viaje a Aleks Krotoski a diferentes lugares de mundo para analizar su huella digital (digital footprint), hackear su computador o conocer como se puede eliminar información no deseada que aparece sin nuestro consentimiento en internet, entre otros.

Documental de The Guardian,

Antes de acabar, y para aquellos a los que no les preocupa la privacidad, porque afirman no ocultar nada, no olvidéis las palabras de Edward Snowden:

Fuente: http://enriquemuriel.prof.ufsc.br/edward-snowden-la-privacidad/

Y tú qué piensas, ¿te interesan las cuestiones de privacidad?

Todas as capas do The New York Times desde 1852 em um minuto [vídeo]

Um vídeo de Josh Begley apresenta todas as capas da versão impressa de um dos jornais mais importantes do mundo, The New York Times, desde o ano 1852. Nele podemos ver a mudança da diagramação dos elementos em apenas um minuto. O texto e sua quantidade e disposição, a cor das fotos que passa de branco e preto ao colorido, bem como, o tamanho das imagens, entre outros.

Every NYT front page since 1852 from Josh Begley on Vimeo.

E você, conhece algum outro projeto como este?

Edward Hopper en movimiento: fotos animadas de sus obras

Edward Hopper (1882-1967) fue un pintor realista estadounidense, destacado por su particular estilo y sus retratos sobre la soledad de los individuos.

Ahora un proyecto de la compañía Orbitz, que lleva por nombre Edward Hopper In Motion,  recupera algunas de sus pinturas con unas sencillas animaciones, que realzan el valor de la obra del artista.

 

En la National Gallery of Art de EEUU se puede encontrar información contextualizada dentro de las propias pinturas, con algunos de sus detalles más relevantes.

 

 

 

 

 

 

 

En The Art Story se pueden leer las descripciones de varias de sus obras, mientras que en la Wikimedia es posible descargarse algunas de sus pinturas, libre de derechos, claro.

¿Conoces algún proyecto similar con otros artistas?

Para saber más:

Edward Hopper. Wikipedia. https://es.wikipedia.org/wiki/Edward_Hopper

Fotos y censura en Facebook: algoritmos éticos

La censura de fotografías en Facebook no es un tema nuevo. Ha sido foco de la polémica en diversas ocasiones. Con una búsqueda simple podemos encontrar algunos casos conocidos: la censura de pezones femeninos, de la niña de Napalm, icono de los horrores de la guerra de Vietnam o de una estatua clásica, entre otros muchos ejemplos.

En este caso, un amigo mio compartió una foto inocente. Bueno, en realidad era un tuit acompañado de una foto de Aladdin, la película de Disney, acompañado de un breve texto que hacía una broma sobre el veto de entrada a EEUU de musulmanes de varios países.

En mi muro (timeline) aparecía la foto desenfocada con el mensaje:

Esta foto se ocultó porque muestra contenido para adultos, como violencia gráfica”.

A la izq. como aparecía en el muro de Facebook, a la derecha el contenido de la foto.

Como puede apreciarse en la imagen, sólo aparecen Aladdin y Jasmine en la alfombra voladora lanzando flores.

No es fácil reconocer el motivo de la censura, ¿será porque ella está agarrada por la cintura? ¿será el turbante? ¿el aspecto físico de ambos?

Los algoritmos, como tales, no pueden tener ética, las personas que los programan, sí. Y hoy más que nunca es imprescindible la filosofía y la ética tanto en nuestra vida cotidiana, como en la formación de los futuros profesionales que mejorarán nuestra existencia a base de algoritmos.

Mientras tanto, Facebook debería mejorar su herramienta.

La ciencia ficción y la tecnología del futuro

Desconozco lo que estás haciendo, pero (si no es muy importante) te sugiero que lo dejes de lado y hagas un viaje de ciencia ficción a otro mundo.

El programa de Iñaki Gabilondo, “Cuando ya no esté”, consiste en una serie de entrevistas a especialistas de diferentes  áreas: biología, tecnología, arquitectura, etc. Un seriado muy recomendable para saber cómo será el futuro de aquí a unos 20 años.

Huxley, Lovecraft, Orwell, Asimov, Clark, Wells… ¿quiénes son estos tipos tan poco imaginativos? Esta será la pregunta que te harás cuando veas los dos vídeos con la apasionante e increíble historia que cuenta José Luis Cordeiro, profesor de la Singularity University, una aventura académica financiada por Google y la NASA.

Segunda parte.

Sus afirmaciones pueden causar escepticismo, miedo, esperanza, pero por encima de todo elevan el nivel creativo de la ciencia ficción, que tal vez algún dia sobrepase el adjetivo ficción y se convierta simplemente en ciencia. Al fin y al cabo, ¿qué sería de la ciencia sin imaginación?

¿Y tú, como imaginas el mundo en 20 años?

Entrevista à Revista PerCursos sobre informação, ética e tecnologia.

Capa Revista PerCursosNuma entrevista concedida à revista PerCursos (v.17, n.34) em outubro de 2016, falamos, entre outras coisas, sobre a censura, a ética nos algoritmos e a necessidade da competência informacional como ferramenta para viver na nossa sociedade da informação, onde as notícias falsas, preconceitos e os interesses da mídia impregnam as informações que acessamos diariamente. Segue abaixo a entrevista na íntegra.

PerCursos: Atualmente, as tecnologias influenciam substancialmente na forma de acesso e apropriação da informação por parte dos indivíduos. No caso da mídia tradicional, observamos fontes de informação, como a Internet, Televisão e Rádio, as quais, muitas vezes, têm efeito contrário: ao invés de informar, elas “desinformam”. O que é necessário para se faça uma boa escolha das fontes de informação?

Se falarmos de informação científica, existem muitas instituições e profissionais encarregados de pesquisar, gerenciar, compartilhar e publicar este tipo de informação para a área que precisarmos. No âmbito da ciência, a informação passa pelo filtro da comunicação científica, que ajuda a identificar informações erradas, com metodologias incorretas ou incompletas, entre outros, mediante a revisão por pares quando submetemos um artigo a uma revista.

No caso da informação jornalística ou geral, muda um pouco. A influência das grandes mídias na população é maior, e geralmente atrás das grandes companhias existem fortes interesses econômicos privados. Manuel Castells em “O Poder da Comunicação” trata alguns dos problemas da mídia e o poder que exerce sobre a população. Com a internet, mudou a comunicação unidirecional dos jornais ou os noticiários da TV para uma comunicação em que o usuário também participa e interatua com a informação, no que agora se denomina segunda tela.

Por um lado, é uma boa notícia, por outro, sem a formação mínima necessária, as informações acessadas não serão de muita utilidade se a população não tem as competências para diferenciar entre informações objetivas e subjetivas.

Não devemos c que atrás das fontes de informação, científicas ou periodistas, estão os humanos. Não podemos exigir que os cientistas ou jornalistas sejam 100% éticos se a sociedade não é, porque como acontece com os políticos, eles sãos simplesmente um reflexo da sociedade; se a sociedade é corru[p]ta, também veremos corrupção nas informações ou nas fontes em que se encontram.

Neste sentido, ter uma boa competência informacional é fundamental para reduzir, na medida do possível, a chance de sermos manipulados ou enganados.

 

PerCursos: Ao pensar mais especificamente na Internet e na sua amplitude e abrangência, ficamos sujeitos a algum tipo de censura, ocultação ou manipulação de informação quando obtemos resultados de uma determinada busca?

O buscador quase onipresente nas buscas dos usuários no mundo inteiro, Google, oferece resultados conforme os nossos interesses, ou melhor, segundo os interesses que a corporação estadunidense considera que são os interesses dos seus usuários, porque eles fazem um perfil muito completo de cada um de nós. Há uns anos, quando o buscador operava na China, fiz um pequeno teste procurando “Praça Tiannamen” no Google Imagens dos EUA, Espanha, França, Itália e China (e ampliei um tempo depois em: “Las principales formas de censura en internet“. Os resultados dos quatro primeiros países eram parecidos: a icônica imagem de um homem de calças pretas e camisa branca, com uma maleta e uma sacola nas mãos parado frente a um fila de tanques de guerra. A imagem é um ícone mundial da resistência contra o poder. Quando se procurou o mesmo termo na versão chinesa do buscador, apenas apareciam imagens da praça na atualidade, sem aparecer nenhuma imagem relacionada com a forte repressão acontecida nesse lugar. Os resultados estavam “filtrados”.

Hoje, o Google não opera mais na China, mas sua forma de atuar continua sendo a mesma. Por exemplo, Google Maps muda as fronteiras dependendo de onde o acessemos (2, http://www.popsci.com/does-google-create-worlds-borders ). Já existem algumas vozes que consideram que deveria existir um motor de busca público que garanta que os resultados apresentados não apresentam manipulação, ocultação e nenhum tipo de censura. Poderíamos ampliar este raciocínio para a criação de um organismo público internacional para a preservação dos conteúdos na web.

Seja como for, o papel do profissional da informação e da competência informacional deve ser protagonista para orientar os usuários nestas e em outras questões.

Google, oferece resultados conforme os nossos interesses, ou melhor, segundo os interesses que a corporação estadunidense considera que são os interesses dos seus usuários.

 

PerCursos: Com relação às mídias sociais, como Facebook e Youtube, por exemplo, quais os principais problemas observados na questão referente ao compartilhamento de materiais e aos direitos autorais?

O principal problema que existe com os direitos autorais é que as pessoas não conhecem nem, geralmente, tem interesse em conhecê-los. Uma pergunta clássica quando pesquisamos em algum trabalho sobre o assunto é: “O que precisamos fazer para obter os direitos de autor sobre uma obra que criamos?”. Poucas pessoas sabem que os direitos de autor são adquiridos no mesmo momento da criação, não é preciso nenhum requisito formal. Isto é importante, pois se alguém tiver dúvidas se um trabalho de aula, por exemplo, tem direitos de autor, a resposta é sim, e os direitos são do aluno, portanto, em linhas gerais, podemos pensar que todas as fotos que usamos de internet, memes, vídeos, tudo, por efeito, está protegido. Se os usuários e os profissionais da informação se preocupassem um pouco mais com direitos autorais, conseguiríamos mudar uma legislação que não atende às necessidades da sociedade conectada e mais pessoas compartilhariam suas obras com licenças do tipo Creative Commons.

 

PerCursos: Como fica a questão da Lei dos Direitos Autorais: as redes sociais seguem a lei vigente do seu país ou do país onde foi produzida a informação que a rede social compartilhará?

As leis de direitos autorais, embora tenham como base acordos e convênios internacionais, são leis nacionais. Em princípio, cada empresa e cada pessoa deve cumprir a lei do país onde se encontre. No nosso caso, a Lei 9.610, de 19 de fevereiro de 1998 foi criada meses antes da fundação do buscador de Google. É fácil imaginar que uma lei da era pré-internet não está muito adaptada às necessidades de nossa sociedade da informação.

 

PerCursos: Quais as implicações éticas que envolvem questões como a vigilância tecnológica e o rastreamento de nossas atividades na rede?

A vigilância tecnológica é um termo aplicado principalmente a empresas ou entidades, para conhecer a evolução do mercado, onde investir, quais são as novas pesquisas ou que novos produtos apresentam empresas do mesmo setor, entre outros. Em troca, a privacidade é um direito das pessoas. Do meu ponto de vista, é uma tarefa dos profissionais da informação orientar os usuários a viver on-line, ensinando vantagens e desvantagens de aplicativos, tecnologias e comportamentos na rede, para que as pessoas possam decidir o que fazer com conhecimento. É difícil de compreender as pessoas que afirmam não se importar com o direito à privacidade porque não têm nada a esconder. Como diria Edward Snowden (1), seria como dizer que não se importam com a liberdade de expressão porque não têm nada a dizer. A privacidade é um direito que deve ser respeitado e é importante que os usuários saibam como fazé-lo. (1, https://www.theguardian.com/us-news/video/2015/may/22/edward-snowden-rights-to-privacy-video)

 

PerCursos: A internet atual tem convergido para Internet das Coisas e Web Semântica. Este novo paradigma tem que impacto nas pesquisas que virão em CI e na vida das pessoas?

A Internet das Coisas será a próxima revolução segundo os especialistas, e terá um melhor impacto na nossas vidas se conseguirmos antes debater algumas questões éticas atrás da hiperconexão de objetos que interagem entre eles e conosco. O avanço é indubitável, mais devemos estabelecer com clareza como se resolverão os dilemas que terão os dispositivos quando pensarem por eles mesmos (coisa que já fazem). Um exemplo é o carro autônomo, sem motorista. Devemos pensar como desejamos que ele escolha frente a um acidente: ir para a esquerda e atropelar várias pessoas ou para direita e arriscar a vida do motorista? Por outro lado, temos que continuar pensando na importância da privacidade e na segurança. Aqueles com aplicativos no telefone ou relógios inteligentes que registram todo o exercício feito durante o dia, imagino que não concordariam se a companhia que compila toda a informação compartilhasse seus dados com as seguradoras médicos, que poderiam rejeitá-lo se fizesse mais exercícios ou menos do que eles consideram o padrão, ou com bancos, que poderiam calcular o risco de dar um empréstimo.

A ciência e a tecnologia oferecem avanços maravilhosos que melhoram nossas vidas, e devemos tentar garantir que seja assim e não nos convertermos em simples produtos que geram dados para que outras empresas se aproveitem, e sem ter nosso consentimento informado.

 

PerCursos: Um dos aspectos da cultura digital é a emergência do e-book. Quais os conflitos atuais no que se refere ao direito dos autores? São os mesmos direitos de um livro em papel? Por exemplo, o e-book pode ser emprestado pelas bibliotecas?

Do meu ponto de vista, é um assunto muito relevante para os profissionais da informação. Quando compramos um livro em papel, adquirimos uma série de direitos. Podemos emprestá-lo, lê-lo as vezes que quisermos e onde quisermos, assim como vendê-lo, é uma propriedade material. Entretanto, quando compramos um e-book não compramos um arquivo epub ou pdf, compramos uma licença. As licenças são um tipo de contrato que oferecem acesso a uma obra e apontam o que podemos fazer com ela. Por exemplo, geralmente as licenças proíbem a venda ou empréstimo de nosso livro legalmente adquirido a terceiros. Se comprarmos o clássico 1984, de George Orwell em papel, podemos emprestá-lo a várias pessoas, e um dia, se quisermos, vendê-lo. Com o mesmo livro adquirido em formato digital, não. Além disso, as licenças podem limitar desde onde acessamos a uma obra, como acontece com as grandes bases de dados do portal CAPES: precisamos estar dentro do campus da universidade (ou acessar mediante VPN) para ter acesso às bases de dados; se estivermos fora ou não tivermos configurado corretamente o VPN, então não podemos acessar.

…quando compramos um e-book não compramos um arquivo epub ou pdf, compramos uma licença.

 

PerCursos: Comente sobre a emergência de movimentos como Copyleft ou Creative Commons em contraposição ao Copyright.

O movimento Copyleft não é contrário aos direitos autorais, ou pelo menos não todo o movimento (não devemos esquecer que onde existe poder, existe um contra poder). Embora seja um trocadilho, copyleft: cópia esquerda, como o contrário de copyright: cópia direita, está baseado nos direitos autorais; tanto é assim que melhoram os direitos de autor, para que os criadores e usuários tenham controle sobre nossas obras e possamos criar, utilizar e compartilhá-las segundo as condições que decidamos. Neste ponto, poderíamos falar sobre as licenças GNU em computação, fundamentais no software livre, e no âmbito da educação, das licenças Creative Commons, que apresentam seis licenças das quais duas são consideradas como livres e poderiam se encaixar dentro do conceito de copyleft (CC by e CC by-sa).

O Acesso Aberto é um movimento fundamental para o avanço da Ciência que fomenta o acesso e compartilhamento de informação científica. Este movimento se baseia nas licenças Creative Commons e, sem elas, seria muito difícil que pudesse existir.

A meu ver, os professores e alunos deveriam compartilhar suas obras sempre com uma licença Creative Commons. Para isso, simplesmente temos que entrar no site do projeto (https://creativecommons.org/choose/?lang=pt ), escolher a licença que quisermos, e escrever na nossa obra qual é a licença CC utilizada e um link para que se alguém não souber, possa se aprofundar mais no que permite ou não a licença. É uma forma simples e de graça de liberar e fomentar a educação para fazer do mundo um lugar um pouco melhor.

 

Para citar esta entrevista (recomendo ir à fonte original):

MURIEL-TORRADO, Enrique. Informação, ética e tecnologia. Uma entrevista com o Professor Enrique Muriel-Torrado. [Entrevista concedida em 30 de setembro de 2016]. Revista PerCursos. Florianópolis, v. 17, n.34, p. 134 – 140, maio/ago. 2016. Entrevistadores: Daniella Camara Pizarro, Divino Ignácio Ribeiro Júnior e José Eduardo Santarem Segundo.

DOI: http://dx.doi.org/10.5965/1984724617342016134

Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.